segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Yoga e meditação para pequenos e graúdos


Pare por alguns momentos, apenas sinta...

Num destes dias, houve um momento em que fechei os olhos e somente foquei na minha respiração. Inicialmente, era um pouco difícil, os pensamentos vinham e iam, eu deixava-os ir e tornava a focar-me no meu ritmo respiratório, na sensação do ar a entrar pelas narinas e encher os meus pulmões. Aos poucos, a minha respiração foi se tornando cada vez mais profunda e, a certa altura, alguém me colocou um pequeno quadradinho de chocolate preto na mão pedindo que o sentisse com as minhas mãos. Senti-o. Com a ponta dos meus dedos, senti a sua forma, a sua textura suave. Depois, pediram que o cheirasse. Senti um cheiro forte, bom, inebriante, quase que podia sentir o seu sabor e ainda nem o tinha provado. Ainda de olhos fechados, solicitaram que trincasse um pouco e deixasse dissolver na boca. Que sensação maravilhosa! Sentir cada pequena parte deste processo em pormenor, focar-me no sabor que aos poucos se soltava do chocolate. Um pouco mais tarde, pediram que colocasse o resto do chocolate na boca e o trincasse, mastigando-o devagar. Senti-o a quebrar-se perante a pressão dos meus dentes, reparei na maneira como ele se espalhava na minha boca e na forma como a língua o envolvia. Senti o sabor do chocolate a invadir cada parte da minha boca e ao mesmo tempo do meu cérebro, passar pela minha garganta e pronto… dadas estas sensações todas, nunca mais olhei para o chocolate da mesma maneira. Foi numa aula do Curso intensivo de Facilitador de Meditação Infantil ministrado pela professora de Yoga e Meditação infantil, Patrícia Oliveira.
A verdade é que o nosso dia a dia se desenrola tão rotineiramente que já nem apreciamos o prazer que cada uma das nossas atividades deveria nos dar, comemos sem saborear, passamos todos os dias pelos mesmos locais sem os contemplar. E que tal parar? Experimentar por alguns momentos começar de novo? Fazer um passeio ou saborear um alimento como se fosse a primeira vez? Estar presente, com foco nesse momento, sem distrações. É a isto que chamamos de meditação. 
Grande parte de nós, quando houve falar em meditação, pensa em alguém sentado a tentar não pensar em nada, a tentar parar a mente, o que certamente deverá ser complicado. Ninguém consegue deixar de pensar e não é isso que se pretende com o ato de meditar. Certa vez, alguém me disse que quando estivéssemos muito cansados na sala de aula ou a fazer um trabalho em que chegámos a um impasse, podíamos simplesmente pegar numa caneta, respirar fundo e olhar para ela como se fosse a primeira vez, reparar em todos os seus contornos, na sua cor, na forma como rodopia na nossa mão ou como desliza no papel… A meditação pode ser vista como um botão que nos ajuda a reiniciar quando o sistema está sobrecarregado ou um portão que, se permitirmos claro, se abre e nos deixa ver como somos por dentro, revelando-nos os verdadeiros sentimentos, o nosso eu mais íntimo. 
Quanto à Patrícia, ela regressa à nossa ilha em Março do próximo ano. Não perca a oportunidade de fazer este curso. Durante esta semana, escolha um momento qualquer, pare e viva-o como se fosse a primeira vez, apenas sinta! Uma semana feliz.



terça-feira, 6 de setembro de 2016

Agenda escolar mensal 2016/2017

Olá, espero que o verão tenha sido ótimo. Para nós foi muito bom, mas só agora com a praia menos cheia, aproveitamos para dar os nossos passeios à beira mar. Setembro chegou e é hora de olhar de novo um bocadinho para o blog :) Espero que o continuem a acompanhar.

Este ano, a nossa agenda escolar vem um pouquinho mais tarde, quase em cima da hora. Ainda assim, as férias estão a terminar e é hora de preparar o novo ano. Espero que gostem desta ferramenta para se organizarem e a utilizem bastante. Desejo a todos um ano letivo muito feliz!

Para terem acesso à agenda basta abrirem o link acima ou abrir a seguinte imagem.



terça-feira, 17 de maio de 2016

Pareço boa mãe, mas...

Olá, bom dia. Hoje o texto não é meu, pertence a um blog ao qual às vezes dou uma espreitadela, Macetes de Mãe. Basicamente, a autora publicou no facebook a seguinte frase "Pareço uma boa mãe, mas mostro foto de dente podre só para convencer meu filho a escovar os dentes” e choveram inúmeros comentários, alguns muito engraçados à cerca do tema. Saliento apenas que escrevi este post apenas por achar curioso e não porque me identifique com os comentários abaixo (não com todos, pelo menos, eheheh). Além disso, considero que as mães são demasiado julgadas pelo outros e mesmo por si próprias, quando, na verdade, sabemos que a maternidade, por vezes, não é algo muito fácil. Somos apenas pessoas em aprendizagem, em evolução, nem sempre dá para fazer tudo certinho e mesmo se considerarmos que o estamos a fazer, a verdade é que o vizinho do lado muitas vezes não acha o mesmo.
Quem não compreender este texto (mesmo não se identificando com todos os pontos, claro, eu também não me identifico com muitos deles), das duas uma, ou é mãe e já se esqueceu ou ainda não é mãe ;) Um bom dia a todos.

Nota: Os comentários estão no seu idioma original que é português (Brasil).

Fonte: Blog Maternidade no Divã
- Pareço uma boa mãe, mas como chocolate escondido para não ter que dividir.

- Pareço boa mãe (e sou!), mas quando, por um milagre, o pai fica com eles pra eu ir sozinha no banheiro, falo que estou com dor de barriga e fico lá dentro jogando Candy Crush.

- Pareço uma boa mãe, mas finjo que não vi meu filho caindo. Tudo isso para evitar que ele faça manha (e ele sempre levanta e faz de conta que nada aconteceu).

- Pareço uma boa mãe, mas coloco desenho para ela ficar quietinha e eu dormir um pouquinho mais (esse teve várias variações sobre o mesmo tema).

- Pareço boa mãe, mas já deixei de escovar o dente das das crianças para não ter que acordá-las.

- Pareço uma boa mãe, mas ofereço até as besteiras mais absurdas quando meu filho está doente e não quer comer nada.

Fonte: Blog Tempo de Mulher
- Pareço uma boa mãe, mas às vezes faço chantagem com meu filho usando um pirulito para evitar uma crise de birra.

- Pareço uma boa mãe, mas estou ensinando o João Pedro a falar papai pra ele só chamar o pai nas diversas situações do dia a dia.

- Pareço uma boa mãe, mas quando minha filha está aterrorizando e eu preciso trabalhar, colo um pedaço generoso daqueles durex largos nela, ai ela fica tentando se desgrudar e eu ganho uns minutos para responder aquele e-mail (morri de rir com essa! E vai para um post de dicas para ganhar tempo com os filhos. ahahahah).

- Pareço uma boa mãe, mas na hora de dar aquele antibiótico durante 15 dias (e que nunca desce goela abaixo sem antes perdermos metade do frasco numa luta colossal), parto pro suborno e troco a “engolida do remédio” por um presentinho desses de loja de 1,99… A cada amigdalite volto com a sacola cheia da farmácia e da loja do chinês da esquina.

- Pareço uma boa mãe, mas deixo minha filha uma hora a mais na escolinha todos os dias para ela jantar lá e assim não ter que me preocupar com essa refeição todos os dias.

- Pareço uma boa, mas às vezes eu tenho vontade de sair correndo! São tantas coisas pra uma mãe fazer, que as vezes foge do nosso controle!! É comida na hora certa, é banho, é zói aberto 365 dias…

- Pareço uma boa mãe, mas já reaproveitei fralda, tirando apenas o cocô seco que mal tinha sujado o bum bum e a própria fralda. O negócio é economizar fraldas.

- Pareço uma boa mãe, mas deixo meu filho uma meia hora na fralda cagada, se falta isso de tempo pra ele tomar banho, pois assim não desperdiço uma fralda novinha

- Pareço uma boa mãe, mas já tirei a pilha do brinquedo musical favorito e disse que quebrou porque não aguentava mais aquele som.

- Pareço uma boa mãe, mas já dei embora brinquedo novinho, que ganhou de presente de aniversário, porque era muito barulhento. E quando o filho perguntou onde estava, fiz “a glória”, como se o brinquedo nunca tivesse existido.

- Pareço uma boa mãe, mas às vezes me comporto como o pai empurrando meu bebê de dez meses no balanço ou no carrinho em alta velocidade só pra dar mais emoção.

- Pareço uma boa mãe, mas quando ela faz manha para comer, ligo o desenho e ela come tudo bem direitinho.

- Pareço uma  boa mãe, mas já me fiz de surda quando o filho meu chamou para ir no banheiro limpá-lo (na esperança que o pai ouvisse e fosse).

- Pareço uma boa mãe, mas coloco a minha filha na banheira cheio de brinquedos e saio para fazer a janta. Ela termina o banho toda enrugadinha.

- Pareço uma boa mãe, mas quando minha filha pede pra fazer xixi de manhã e eu estou com preguiça de levantar para colocá-la na privada, eu mando ela fazer no ralinho do banheiro, abaixada.

- Pareço uma boa mãe, mas coloco o bebê pra ver galinha pintadinha no celular dentro do banheiro para eu conseguir tomar banho (variação do mesmo tema: dizer para o filho que a banheira é um barco para ele ficar brincando lá enquanto a mãe toma banho no box ao lado).

- Pareço uma boa mãe, mas às vezes dou uns berros descontrolada (ahahahaha! Ri alto. Por que será?).

- Pareço uma boa mãe, mas dei água tônica na primeira vez que minha filha pediu pra provar refrigerante (ahhhahaha! Adorei! Fica a dica!).

- Pareço uma boa mãe, mas quando alguém fica com meus filhos pra eu ir na rua resolver um problema, mesmo que seja rápido, falo que vou demorar pra poder descansar um pouco e relaxar olhando a cara da rua.

- Pareço uma boa mãe, mas quando quero um tempo pra navegar na internet, digo ao meu marido que preciso urgentemente ir ao banheiro e que ele ficar com o baby. Assim, posso ter uns 40 minutos de solidão sentada na privada (rola até um Candy Crush). Sim, fico 40 minutos sentada. E meu marido já perguntou: Mana, isso é pedra?!

- Pareço uma boa mãe, mas já mordi a bochecha do meu bebê até ficar roxa.

- Pareço um boa mãe, mas já pensei inúmeras vezes em calçar um par de tênis e sair por aí, e só aparecer dali vinte anos.

- Pareço uma boa mãe, mas já ameacei raspar a cabeça da minha filha se ela não escovasse o cabelo de manhã.

- Pareço uma boa mãe, mas quando o assunto é remédio, coloco a seringa na beira dos lábios e esguicho como se fosse uma mangueira daquelas de limpar paredes e calçadas.

- Pareço uma boa mãe, mas quando estou dormindo e muito cansada, finjo que não ouvi o meu filho acordar, para o pai dele levantar e ir ao quarto ver o que ele quer.

- Pareço uma boa mãe, mas já brinquei de esconde esconde em casa e, quando disse que ia procurar, não fui. Assim ganhei uns minutinhos para fazer outra coisa.

- Pareço uma boa mãe, mas faço hora quando estou no banheiro até realmente entrar no banho só pra ter tempo de fechar os olhos um pouco e não pensar em nada.

- Pareço uma boa mãe, mas já fingi estar no banheiro tomando banho enquanto estava, na verdade, mexendo no celular.

- Pareço uma boa mãe, mas colo um pirulito no copinho da inalação. Dá uns bons minutos até ele descobrir como funciona.

- Pareço uma boa mãe, mas pego uma sacolinha e digo que vou jogar os brinquedos no lixo, só pra minha filha guardar mais rápido.

- Pareço uma boa mãe, mas deixo o bebê chorar um pouquinho antes de amamentar só pra ver ele sorrir quando vê minhas peitolas.

- Pareço uma boa mãe, mas já desliguei da tomada o DVD dizendo que quebrou. Só pra não escutar mais a bendita galinha.

- Pareço uma boa mãe, mas depois de uma semana jogo no lixo o desenho que ele fez pra mim na escola (ok, só alguns).

- Pareço uma boa mãe, mas já deixei minha filha andar pelada pela casa porque eu não queria travar uma luta para ela colocar as fraldas e as roupas.

- Pareço uma boa mãe, mas torço para meus filhos não terem dever de casa na sexta-feira só pra eu não ter que ajudá-los a fazerem no sábado.

- Pareço uma boa mãe, mas evito falar “papai’ pro meu bebê, só para ele falar mamãe primeiro.

- Pareço uma boa mãe, mas é cada vontade e pensamento de fugir que dá…

- Pareço uma boa mãe, mas falo que estou tomando sopa na caneca pra não dividir o brigadeiro.

- Pareço uma boa mãe, mas como a maior parte dos doces que ele ganha nas festinhas.

- Pareço uma boa mãe, mas dou risada escondida do jeitinho que minha filha chora quando faz birra.

- Pareço uma boa mãe, mas tomo meus biri nights, de vez em quando, mesmo amamentando.

- Pareço uma boa mãe, mas falo “hummm, que papa gotoso”,  e depois provo a papinha dele e falo “nossa, que treco ruim!”.

- Pareço uma boa mãe, mas já fiquei sem trocar a fralda de xixi na madruga pra não despertar o bebê.

- Pareço boa mãe, mas dou limão para eles chuparem só para ver a cara deles e dar boas risadas.

- Pareço uma boa mãe, mas sinto aquele relaxamento de spa quando alguém pede para pegar o bebê no colo.

- Pareço uma boa mãe, mas dou a chupeta mesmo sem ser a hora de dormir quando preciso que minha filha fique em silêncio.

- Pareço uma boa mãe, mas vejo meu filho fazendo arte e finjo que não vi só para continuar vendo o celular

- Pareço uma boa mãe, mas brinco com a minha filha de ver quem fica em silêncio por mais tempo.

- Pareço uma boa mãe, mas já dei altos berros só pra ela parar de me chamar por uns segundos.

- Pareço uma boa mãe,mas me tranco no banheiro quando começam a brigar.

- Pareço uma boa mãe, mas dou graças a Deus quando eles dormem pra eu assistir qualquer porcaria na televisão.

- Pareço uma boa mãe, mas escondo todas as tintas, canetinhas, lápis e massinha pra não sujar a casa. Ps: coisas essas que eu mesma compro.

- Pareço uma boa mãe, mas finjo que vou usar o banheiro só pra ver snaps (inclusive o do Macetes) e deixo as crias com o pai por um bom tempo.

- Pareço uma boa mãe, mas faço ele dormir e volto para a sala para comer porcaria e ver seriado com meu marido.

- Pareço uma boa mãe, mas falo que a luz vai acabar só pra fazer ela tomar banho.

- Pareço uma boa mãe, mas quando me pedem algo, peço pra esperar e esqueço de fazer por estar no celular.

- Pareço uma boa mãe, mas finjo que não ouvi o resmungo do chamando às 6 da manhã num sábado só pra ver se dorme de novo mais um pouquinho.

- Pareço uma boa mãe, mas ameaço jogar os brinquedos todos no lixo se a criança não guardar.

- Pareço uma boa mãe, mas já disse que ia ter que tomar injeção se não tomasse o remédio.

- Pareço uma boa mãe, mas dou graças a Deus quando ela dorme mais cedo.

- Pareço uma boa mãe, mas faço de conta que não vi que o bebê fez xixi na banheira no meio do banho.

- Pareço uma boa mãe, mas já esperei meus filhos dormirem para poder pedir uma pizza e comer enquanto ela ainda estava quente.

- Pareço uma boa mãe, mas já fingi estar dormindo para o pai levantar e pegar o bebe de madrugada.

- Pareço uma boa mãe, mas quando o bebê chora por birra, prometo tirar uma foto dele e mandar para a priminha que ele adora.

- Pareço boa mãe, mas deixo ele pegar os controles do PlayStation e bater no chão atormentando o vizinho de baixo pra poder mexer no celular.

- Pareço uma boa mãe, mas quando ele me chama pra limpar o popô, eu peço pra ele esperar mais um pouquinho porque eu sei que ele se obriga a ficar sentado quietinho.

- Pareço boa mãe, mas deixo as meninas na casa da vovó pra arrumar a casa, só que, na verdade, eu vou é dormir.

- Pareço boa mãe mas digo que a pracinha está fechada de manhã.

- Pareço boa mãe, mas adoro quando a dinda vem buscar minha filha no sábado para passar o dia com ela.

- Pareço uma boa mãe, mas finjo que estou dormindo pra ele dormir também.

- Pareço uma boa mãe, mas deixo minha filha dormir sem tomar banho só para não acordá-la.

- Pareço uma boa mãe, mas demorei para desfraldar o meu filho por pura preguiça do trabalhão que dá.

- Pareço uma boa mãe, mas pego as moedas do cofrinho do meu filho e não devolvo.

- Pareço uma boa mãe, mas respondo qualquer coisa porque nem escutei o que o meu filho estava perguntando.

- Pareço uma boa mãe, mas já fingi não conhecer meu filho e marido no restaurante no dia que ele vomitou na mesa. No caso, o filho.

- Pareço uma boa mãe, mas arranco as casquinhas de feridinhas do meu filho.

- Pareço uma boa mãe, mas ja deixei comer a ração do cachorro por um minuto de silêncio.

- Pareço uma boa mãe, mas mostro a foto do Zé do Caixão para quererem cortar a unha.

- Pareço uma boa mãe, mas estou me acabando de rir por me identificar com vários depoimentos.

- Pareço uma boa mãe, mas dou banana numa tigela para meu filho achar que está comendo a mesma sobremesa dos outros.

- Pareço uma boa mãe, mas respondo “porque sim” e “porque não” só pra não ter que ficar me explicando.

- Pareço boa mãe, mas dou granola e falo que é salgadinho.

- Pareço uma boa mãe, mas desligo o Netflix e digo que está sem internet pra não ouvir mais Bob Zoom.

- Pareço uma boa mãe, mas na madrugada não coloco ela pra arrotar depois das mamadas (só para eu poder dormir mais rápido).

- Pareço uma boa mãe, mas limpo o rosto da minha filha com cuspe quando ela sai  suja da creche.

- Pareço uma boa mãe, mas quando ele não quer sair da banheira falo que o relâmpago vem vindo e ele sai correndo (ahahaha! O relâmpago! De onde saiu “o relâmpago”? kkk!)

- Pareço uma boa mãe, mas já disse que eu estava dodói e que, se eles não dormissem logo, a mamãe ia ter que ir para o hospital (boa! Vou copiar essa).

- Pareço uma boa mãe, mas tomo Coca Cola na xícara e sopro fingindo ser café.

- Pareço uma boa mãe, mas me escondo sob as cobertas, para eles não saberem que estou acordada.

- Pareço uma boa mãe, mas conto história de sequestro para meu filho não sair de perto de mim em lugares cheios.

- Pareço uma boa mãe, mas digo para o meu filho que vão roubá-lo de dentro do carro quando ele tenta abrir o vidro de trás.

- Pareço uma boa mãe, mas quando minha filha não quer colocar o cinto de segurança eu digo que a polícia vai prender ela e a mamãe.

- Pareço uma boa mãe, mas sempre digo para o meu filho que ele tem que comer muita coisa verde para virar o Hulk.

- Pareço uma boa mãe, mas falo para a minha filha que, se ela puxar o laço do cabelo, vai ficar careca (imagine a cara da criança ouvindo isso!).

- Pareço uma boa mãe, mas às vezes coloco o bebê no carrinho e vou passear só para conseguir ver o Whatsapp, Facebook, Snapchat e Instagram.

- Pareço uma boa mãe, mas ameaço dar a comida do filho mais velho para o mais novo se ele não comer.

- Pareço uma boa mãe, mas digo que o teto vai cair na cabeça dos meus filhos todas as vezes que eles começam a gritar.

- Pareço uma boa mãe, mas sempre ameaço que vou contar até três. E até hoje eles não sabem o que acontece no três.

- Pareço uma boa mãe, mas já puxei o cabelo do meu bebê para ele saber como dói em mim quando ele puxa o meu.

- Pareço uma boa mãe, mas digo para a minha filha que o Papai Noel está vendo e anotando todas as mal criações dela.

- Pareço uma boa mãe, mas sempre que meu filho me pede algo, digo para ele colocar na lista de presentes de aniversário, ou Natal, aí ele acha que vai ganhar um dia e sossega (mas não ganha).

- Pareço uma boa mãe, mas mostro vídeos de acidente de carro para obrigar minha filha a usar cinto de segurança.

- Pareço uma boa mãe, mas já mostrei fotos de larvas e disse para a minha filha que isso dá na pepeca quando ela não se limpa após fazer xixi.

- Pareço uma boa mãe, mas já mostrei fotos de crianças desnutridas quando minha filha não quis comer.

- Pareço uma boa mãe, mas quando meu filho não quer entrar no carro, digo que vou sozinha. E aí entro no carro e dou a partida.

- Pareço uma boa mãe, mas num momento de birra já ameacei fugir de casa. E entrei no carro, dei a partida e fui andei alguns metros. Depois voltei.

- Pareço uma boa mãe, mas já coloquei sal no refrigerante para ele não gostar.

- Pareço boa mãe, mas já pintei o dentinho do meu filho no Photoshop para ele ver como iria ficar se não escovasse os dentes.

Fonte: Blog Behaviorista em ação
- Pareço uma boa mãe, mas antecipo o horário de colocar minha filha na cama, dizendo que é mais tarde, só para ter um tempinho de folga para mim.

- Pareço uma boa mãe, mas estou me identificando com tudo isso aqui.

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Paleo? Vegan? Crudivorismo? Macrobiótica? E se todos tiverem um bocadinho de razão?

Já várias pessoas me pediram para falar sobre a nossa alimentação. Isto não apenas no que diz respeito às sobremesas ou aos dias festivos, mas em relação ao dia-a-dia. Pois, é verdade, nós não comemos bolos todos os dias e para dizer ser sincera essa é uma das razões pelas quais às vezes me custa um pouco manter o blog, uma vez que não quero comer como se todos os dias fossem dias de festa. Sim, comer mel ou outro tipo de adoçante natural qualquer é só em dia de festa. Não é naquela de "é mais integral e tal! Vou comprar 5 Kg de geleia de arroz ou açúcar de coco" ou o que quer que seja.


Como já falei aqui no blog alterámos a nossa alimentação há cerca de 6 anos. Não me sentia bem e fui ao Instituto Macrobiótico de Portugal onde tive uma consulta com o Francisco Varatojo. Esta consulta mudou a minha vida. O Francisco disse logo que os problemas que eu tinha eram facílimos de tratar com uma alimentação mais cuidada. Admito que desconfiei da sua palavra, pois eu, na altura com 22 anos, desconhecia uma imensidão de mundo que havia ainda por descobrir neste âmbito. Durante ambas as gravidezes segui esta linha de alimentação, embora tivesse adicionado maior percentagem de alimentos crus.


Sempre gostei de cozinhar e o facto de o fazer com novos ingredientes e brincar com os sabores de modo a comer pratos saudáveis, porém saborosos, aguçou ainda mais o meu interesse e daí até conhecer novas correntes de alimentação foi apenas um passo. Já experimentei algumas dessas ideologias e na verdade reconheço que todas têm os seus pontos fortes e que, na verdade, até têm muita coisa em comum. Não é por acaso que os praticantes de vários tipos de alimentação diferentes juram a pés juntos ter-se sentido incrivelmente melhores, ou mesmo ter-se curado ou melhorado os sintomas de algumas doenças. Comecei então a pensar no que haveria de comum em cada uma dessas alimentações e juntando a algumas pesquisas, surgiram os seguintes princípios, através dos quais me tento orientar no dia a dia, embora sem grande fundamentalismo (há os dias de festa como costumo dizer):

- Comer uma grande percentagem de vegetais - 50% a 75% do prato, optar por variar, as cores são um bom indicador;
- Optar por alimentos de baixo índice glicémico - evitar farinhas, hidratos de carbono refinados e açúcares de qualquer tipo;
- Comer apenas frutas da época - de preferência ao pequeno almoço. Prefiro as frutas silvestres e evito as tropicais.
- Ingerir pouca quantidade de leguminosas - li que no máximo 1 xícara por dia e pareceu-me uma boa medida. Prefiro, por norma, as mais pequenas como as lentilhas, por exemplo;
- Adicionar uma pequena quantidade de pickles de vegetais fermentados à alimentação - Depois posso mostrar como os faço.
- Utilizar gorduras de boa qualidade - azeite, abacate, sementes, frutos secos, óleo de coco, uma reduzida percentagem de peixe selvagem ou carne de pasto. Evitar os óleos vegetais altamente processados como o de soja, amendoim, girassol ou canola ricos em omega 6 (ácido gordo inflamatório);
- Utilizar peixe selvagem ou carne de pasto quase como tempero - não é necessário muita quantidade e normalmente preferimos o peixe. Uma nota importante relativamente às quantidades, pois "pouca" quantidade é diferente de pessoa para pessoa. Em relação ao peixe, comemos 2 a 3 vezes por semana e apenas algumas gramas (ex: um filete de pescada partido num molho dá perfeitamente para nós os quatro, sendo que as crianças, apesar de pequenas, comem tanto como nós) e em relação à carne, duas a três vezes por ano.
- Reduzir os cereais (especialmente os que contêm glúten) - no meu caso a parte do glúten é obrigatória. No caso de comer cereais opto por arroz integral. Uso com alguma frequência os chamados pseudocereais (que na verdade são sementes) como o millet, a quinoa ou o trigo sarraceno;
- Evitar os laticínios - eu sou intolerante e se comer começo com uma azia que me faz querer arrancar o esófago e depois vomito ou dá-me diarreia, no entanto, conheço várias pessoas que sem esses sintomas também se sentiram bem melhores ao retirar o leite, por isso é uma questão de experimentar;
- Preferir alimentos de origem biológica - sem químicos, sem OGM, sem hormonas e sem antibióticos.



Nota: Se forem pesquisar as receitas mais antigas do blog, certamente se aperceberão que nem todas vão ao encontro destes princípios, mas fazer o quê? É andando e aprendendo, sem muito stress à mistura, eheh. Note-se ainda, que as pessoas são diferentes e respondem de modo diferente à ingestão e determinados alimentos. Isto não é uma religião e não existe uma verdade única e absoluta. O importante é conhecer-se e estar atento à forma como se sentem com a ingestão ou não deste ou daquele alimento. Esta é a fórmula que vai funcionando para nós, para vós pode ser uma diferente, ainda assim, podem experimentar muitas das receitas do blog. Certamente não se irão arrepender.