sábado, 27 de dezembro de 2014

O nosso Natal

Não tinha pensado em vir aqui falar sobre o nosso Natal. Esta época para mim significa bem mais do que estar conectada através de um gadjet qualquer, é estar-se junto, estabelecer uma conexão com a família, os amigos. É estar mesmo a sério, não apenas ocupar a mesma divisão da casa, significa encontrar-se, conversar, partilhar. Mesmo em criança, o Natal sempre significou mais para mim do que uma mera receção de prendas, era aquele dia em que ficava em casa da avó a dormir, em que comia determinadas guloseimas, eram os enfeites da árvore, os sapatinhos (flores) que embelezavam o quintal, as searas de trigo no presépio. Era aquele dia que vestia uma roupa nova e, junto com a família, ia à missa do galo e assistia encantada ao ato de natal. Mas digo-vos, mais do que o dia, era a noite, a noite de natal sempre foi especial, a mais especial de todas. Nessa noite havia magia no ar, um cheiro diferente que era docemente complementado pela confusão das crianças e pelas conversas e brincadeiras dos adultos que se prolongavam pela noite dentro.

Este Natal foi o primeiro com os dois bebés da casa e o primeiro realmente significativo para a maior que adorou a "festa". Assim, o dia 24 começou sem muito stress, apenas com algumas arrumações em casa seguida dos preparativos para a ceia de Natal que tinha de estar pronta pelas 17 horas da tarde, hora em que já tínhamos combinado entregar refeições a duas famílias de idosos com algumas dificuldades. Nesta época que foca o amor, que nos faz lembrar dos outros, nós quisemos partilhar um bocadinho do nosso Natal com alguém que, neste caso, não conhecíamos mas que abriu para nós a sua casa de coração aberto. Logo que terminamos as refeições, embalamos e levamos a estas pessoas que nos receberam muito bem, que ficaram felizes, se calhar nem tanto pela refeição, que foi apenas um gesto de carinho, mas pela nossa presença. Estas famílias perderam as suas casas que foram completamente dizimadas pelos incêndios no ano passado, sendo reconstruídas com apoio de instituições locais. Ambas as famílias de idosos receberam-nos com um sorriso na cara e quiseram logo mostrar-nos as suas novas casas que com muito zelo e cuidado mantêm impecáveis, Logo me falaram da sua sorte, ou falta dela, das prendas oferecidas por alguns familiares para dar força e ajudar a compor estes lares que, de outro modo, ainda se encontrariam vazios e claro, mostraram-me com muito orgulho os belíssimos sapatinhos nas jarras e a lapinha com o menino Jesus que, para quem não sabe, é um género de presépio madeirense que consiste numa escadinha enfeitada com frutas, onde no topo é colocada a figura do Menino Jesus.

Depois destas visitas fomos buscar os meus sogros para passarem o Natal connosco e a minha filhota adorou ter os avós todos juntos para a dita "festa". Mais tarde, alguns preferiram ir à missa do galo, nós (marido e bebés), por outro lado, fomos juntos passear na praia, correr, rir, brincar na areia. Foi o nosso momento especial de Natal.

Para a ceia de Natal, foram confecionados pratos típicos madeirenses com alguns ingredientes que já não pertencem ao nosso menu, então para nós os três testei um rolo de "carne" cuja receita queria colocar aqui, no entanto, digo-vos, não foi a melhor das minhas invenções. Ficou demasiado seco e acabamos por come-lo em modo de pão com salada no meio, o que também serviu mas não era a intenção inicial. Farei algumas alterações e posteriormente colocarei aqui. Meio à pressa, pois não estava nos planos, fiz uma sobremesa de avelã, essa sim, surpreendeu-me. Ficou muito suave e docinha. Colocarei a receita no blog.


Mais tarde, foi a troca de presentes, pequenas lembranças, simples miminhos que oferecemos e recebemos. Fiquei feliz, a minha filha ficou responsável por entregar as prendas às pessoas e não demonstrou nenhuma vez inveja ou vontade de ficar com elas, respeitou o que era para os outros e para dizer a verdade mais ofereceu que recebeu. Queria mesmo passar-lhe essa energia do natal, da partilha, do amor, da noite de natal em que é mais importante passear com os pais e o mano na praia e dormir no mesmo quarto que os avós que a vieram visitar do que receber bens materiais. Claro que ela adorou receber as suas prendas e claro que ainda é muito pequena para se calhar compreender todo este dinamismo do Natal, no entanto, penso que foi um primeiro passo maravilhoso neste caminho (ah e claro que foi difícil ir para a cama depois).

O dia 25 de dezembro foi passado tal como nos outros anos, a comer muito, a vegetar no sofá e a ver filmes. Desde que me lembro, a parte importante do Natal na minha família era a ceia do dia 24 e não propriamente o almoço do dia 25. Para o jantar do dia anterior era já confecionada uma quantidade de comida a pensar no dia seguinte, de modo a que no dia de Natal propriamente dito, não tivéssemos de fazer nada.

Foi assim o nosso Natal, simples mas juntinhos, de coração quente. Sim, foi muito rico porque esteve cheio de amor :)

comentário(s) pelo facebook:

9 comentários:

  1. Bonito texto, gostei muito de ler as tuas palavras. O teu Natal é muito parecido com o meu. Bjinhos e muitas felicidades

    ResponderEliminar
  2. Celebrou o Natal com tudo o que verdadeiramente importa. Excelente exemplo para a soscidade que vive centrada nos presentes, nas luzes, nos bens materiais, e nem se preocupam com os outros. É mais stress do que amor, simplicidade, união, alegria, esperança.
    No entanto acho que faltou o essencial: celebrar o nascimento do Salvador, Jesus. Embora tenha o celebrado ao entregar a comida às familia, e ao estar reunida com a sua própria família. Celebrou com os valores e princípios de facto de Jesus, mas sem Ele (missa do galo). Uma festa de aniversário sem aniversariante.
    Digo isto, devido às minhas crenças. Não a querendo ofender só estou, pois não conheço as suas crenças, defendo isto pois é para mim é o Essencial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente fui educada na fé cristã e admito que até me sinto bem na igreja, não porque acredito ou deixo de acreditar, se calhar porque me lembra a minha infância, os meus avós :) A fé não se prende a lugares, tem a ver com algo cá dentro, algo que sinto quando estou com o meu marido e os meus filhos e isso faz-me feliz. Respeito a sua opinião mas de facto para nós fez mais sentido assim. Muito obrigada por ter ter despendido algum tempo para deixar o seu comentário.

      Eliminar
  3. Lindo :) Adorei! Por cá temos tradição de ir a igreja (Baptista) e cantar no coro. Depois casa, jantar em familia e troca de prendas. Por aqui foi tb a Bella quem distribuiu...ela nem fez muita questao de abrir todas as suas prendas, entreteve-se a entregar a dos outros e depois a brincar com a 1º que abriu hehe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, se a primeira era boa, para quê abrir já as restantes? Bora brincar :D

      Eliminar
  4. so para clarificar: nao é somente uma tradição, é feita realmente com sentimento e no sentido de celebrar o nascimento de Jesus que para mim é esse o principal motivo do Natal. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo e também adoro tudo o que se remete a este dia, o seu significado, uma vida, um renascimento, a esperança de um mundo melhor :)

      Eliminar

Deixe a sua opinião! Obrigada :)