terça-feira, 10 de fevereiro de 2015

O meu cabelo

Hoje venho vos falar sobre o meu cabelo. Grande parte das pessoas tem problemas com o cabelo, eu não tenho, sempre o tive forte e tendencialmente comprido, ontem decidi cortar... bastante. Que leveza! Quando falava em cortar,  a maior parte todas as pessoas diziam-me para não o fazer, não sei exatamente porquê, mas penso que por ele estar bastante comprido e forte, por ter demorado muito tempo para ficar assim. Também, provavelmente por ser algo que me carateriza, algo que é meu e parece que vou perder. Enfim, razões há parte, cortei-o mesmo e sinto-me muito bem com isso. 



Na verdade sinto-me mais feminina, porque embora o cabelo comprido esteja mais relacionado com a feminilidade, para ser prático, neste momento, andava sempre com ele preso com um elástico. Resultado, tinha cabelo comprido mas não me estava a sentir bem com isso. Agora, com os os cabelos soltos, sinto-me mesmo bem, mais bonita :).
Algo que é interessante também, é que não o perdi propriamente, ele não foi para o lixo, foi doado para fazer perucas. Até achei boa ideia embora, momentaneamente, tenha sentido que é estranho, afinal um bocado meu vai fazer parte da vida de outra pessoa. Quer dizer, não é como doar um órgão nem nada com que se pareça, mas ainda assim, é algo que era meu, viveu comigo mais de um ano e, em princípio será utilizado novamente sendo útil a alguém. Que lhe leve boas energias :)

Agora, no que diz respeito à mudança em si, porque será que a maior parte das pessoas tem medo de mudar o cabelo, quer dizer, tem medo de mudar o que quer que seja, mas o corte de cabelo é aquela coisa que realmente fica por anos e anos, parece que nos define, que se o mudarmos, todo o mundo vai rir-se de nós, atenção, nós até podemos gostar de outro qualquer mas depois não mudamos porque será? Porque temos assim tanto medo que os outros não gostem do nosso cabelo? Quase que pensamos que se mudarmos o cabelo, não vamos atrair os outros, será a mesma coisa que outros animais como o pavão, por exemplo? A dança de acasalamento em que fazemos esvoaçar os nossos lindos cabelos? Provavelmente, mas mudar não é, necessariamente, para pior. No meu caso, sentia o meu cabelo pesado com uma energia pesada, velha, necessitava refrescar, o cabelo, as ideias, a vida. Na verdade, o facto de ele estar assim tão comprido incomodava-me à imenso tempo, no entanto, nunca mudei porque, além de me dizerem várias vezes para não o fazer, simplesmente não estava na altura. 

O que será o cabelo? Serão simplesmente células mortas? Há quem diga que estabelecem algum tipo de ligação com o nosso cérebro interferindo com o nosso sentido de orientação (não riam, lembrem-se dos bigodes dos gatos em que acontece a mesma coisa) e com a tal história do sexto sentido geralmente atribuída às mulheres que, coincidência ou não, têm normalmente o cabelo maior.

Não sei até que ponto teve influência em mim este corte de cabelo, não sei se mudei e, por isso, cortei o cabelo ou, pelo contrário, cortei o cabelo e por isso mudei, mas a verdade é que a vida é feita de passos, caminhos, mudanças, seja de cabelo ou de outra coisa qualquer. Cortei o cabelo, senti-me mais leve (não devido ao peso dele, que ele não estava assim tão comprido) mas, sim, senti essa mudança na alma. O cabelo, esse, volta a crescer.

comentário(s) pelo facebook:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Deixe a sua opinião! Obrigada :)