sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Desabafos à meia noite... ou perto #1 - Amigos

Não tenho andado por aqui, ligada às "internetes" por assim dizer, têm me faltado as palavras e sinto que estou em dívida convosco, sim, convosco, aquelas pessoas que tão simpaticamente passam por aqui quase todos os dias para saber de nós. 

Adoro escrever mas desde há algum tempo que tenho imensa dificuldade em transmitir aquilo que sinto sob a forma de letras. às vezes vêm as palavras e as ideias até se põem a jeito quando estou a adormecer uma ou outra criança mas depois, à frente desta máquina nada sai. Bem sei que o meu cérebro já não é o mesmo desde que tive crianças e se calhar por ainda amamentar ou acordar várias vezes durante a noite, sinto alguma dificuldade em processar informação neste momento. Será que com alguma de vós (falo no feminino por razões óbvias) aconteceu o mesmo? Ou melhor, será que se melhora depois de todo este processo?

Hoje estive a pensar sobre a amizade, os amigos que tenho, os que passam, os que foram e os que nunca foram (tou a escrever com a pequena no colo porque entretanto não lhe apetece dormir, que maravilha!!). Bem, continuando na amizade, sabem aquele tipo de amigos que chegam à vossa casa, tiram uma cerveja do frigorífico,  esparramam-se no vosso sofá e com toda a lata do mundo ainda gozam na vossa cara de algo que vocês guardam lá em casa? Sim, esse mesmo, aquele com quem dá para rir sobre tudo e sobre nada e vocês não têm que limpar milimetricamente a casa só porque ele vai aparecer. Pois, já tive esse amigo, agora já não tenho (já não está entre nós) e eu tenho saudades.

Amigo que é amigo a sério tem lata sim senhor, põe se à vontade e goza na tua cara mesmo :). É alguém que dá para rir muuuuiiiito mas também dá para ter conversas sérias quando é preciso às tantas da madrugada, alguém com quem percorremos 40 km só para comer qualquer coisa depois de uma noite de farra (ou mais às vezes), alguém que não partilha necessariamente os mesmos interesses mas que gosta de estar connosco, que nos respeita e nos adora por quem somos, simples assim.

Na nossa cultura é comum ouvir "amiga, só a minha barriga", "não tenho amigos, só conhecidos" e até (a pequena foi dormir, aleluuuiiia!!) se valoriza o "cada um na sua casa", por isso não sei até que ponto o facto de termos ou no amigos não seja um bocado culpa nossa, da nossa própria cultura. Nunca tive muitos amigos (só alguns e nem todos permanecem), não aqueles amigos verdadeiros mas se calhar por culpa minha, fui eu que nunca me entreguei, fui eu que se calhar nunca me abri e isso provavelmente torna as coisas mais difíceis. Na nossa sociedade, a amizade é um bocado desvalorizada, num casamento, por exemplo, colocas mais perto dos noivos, os familiares (mesmo que até nem os vejas muitas vezes ou te dês bem com eles) do que os amigos. Se calhar penso nisto porque tenho contactado recentemente com pessoas com verdadeiros amigos, amigos de sempre que se encontram regularmente, ou que embora estejam uma grande temporada longe, quando se encontram tudo está como antes, que não sentem vergonha de fazer figuras "ridículas" à frente uns do outros e eu sinto pena, pena de não ter sabido manter amizades assim.

Os amigos são a família que se escolhe (ou se acolhe). Valorizem os vossos amigos, não porque mais tarde possam necessitar deles, não por interesse, mas pelo agora, pelos momentos que podemos viver no presente, porque os amigos não são para as ocasiões, são para o dia-a-dia. Menos competição, menos julgamento, menos falta de tempo e mais amor, mais risadas, mais companhia e mais abraços. Alguém hoje me disse que está tão desiludida que não acha possível haverem amizades assim, em que ambas as partes dão de si, se esforçam. Eu, na minha ingenuidade talvez, continuo a acreditar.

Uma boa noite a todos os meus amigos, àqueles que já foram, aos que permanecem e aos que virão :).


comentário(s) pelo facebook:

2 comentários:

  1. Amamentei até aos 32 meses e sim...a minha cabeça também não funcionava adequadamente! Mas depois recuperou, por isso há esperança :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, Amamento há 28 meses, 12 deles em tandem :) Fico feliz em ouvir isso, MESMO. Porque isto aqui anda mesmo um bocado avariado :) Bjinho e obrigada pelo incentivo.

      Eliminar

Deixe a sua opinião! Obrigada :)